Brasil

Visita à reserva Pataxó em Porto Seguro: Como é a experiência?

Créditos: Pataxó Turismo

Apesar de Porto Seguro ser uma cidade extremamente interessante, cheia de opções de praias, feiras ao ar livre e rodeada por outras cidades menores com diversas atrações, o que mais me chamou atenção nessa viagem foi o passeio para a Reserva Indígena Pataxó da Jaqueira. Um passeio bem alternativo, considerando que trata-se de uma cidade conhecida por suas festas de axé, mas que não pode ficar de fora do seu roteiro. 

Existem várias opções de formatos de visitação. Tudo depende do tempo que pretende passar na reserva e da profundidade da imersão que você depende ter na cultura deles.

O que é a Reserva Indígena Pataxó da Jaqueira?

A Aldeia Reserva da Jaqueira é um espaço de 827 hectares que foi conquistado por indígenas dessa tribo, onde eles podem viver realizando suas tradições milenares, receber visitantes e desfrutar do convívio com a natureza 24h por dia. Ao todo, vivem cerca de 35 famílias realizando diferentes atividades, tanto dentro quanto fora da aldeia (afinal, eles também têm contas para pagar!), mas a maior parte das famílias trabalha dentro da própria reserva com atividades relacionadas ao artesanato e turismo.

Neste território, a Mata Atlântica está 100% preservada e os índios têm a oportunidade de viver em uma realidade bem próxima daqueles que viviam na região antes da chegada dos portugueses. 

A Reserva da Jaqueira foi demarcada e homologada como terra indígena. Isso significa que ela é protegida por uma Lei Federal. Ao longo da visita, os moradores explicam melhor a luta para conquistar essa terra, que nem sempre foi de posse do povo Pataxó.

Créditos: Pataxó Turismo

O que vou encontrar ao visitar a reserva?

Ao entrar na aldeia, você será muito bem recebido. Em dias de visitação, haverá um integrante da tribo aguardando na entrada para te recepcionar. É possível fazer a visitação por conta própria ou por meio de uma agência de turismo. 

Logo quando cheguei, fui recebida por duas crianças (filhos do que estava responsável pela portaria naquele dia). Uma linda indiazinha com no máximo 3 anos de idade já pulou o meu colo para me receber e perguntar meu nome! 

Apesar de eu ter sido recebida dessa forma, ao longo de todo o passeio, pude perceber que nem todos eles se sentem à vontade para abraçar e tirar fotos com os visitantes o tempo todo. Assim como nós, existem alguns índios que são mais reservados e não conversam muito. Então, é importante ter atenção e entender quais deles se sentem mais à vontade para conversar. Todos estão vestidos de forma característica, pois é realmente dessa forma que se arrumam no dia a dia para manter a tradição viva.

De toda forma, haverá um responsável por guiar todo o seu passeio. Os integrantes da tribo que ficam com esse trabalho são os mais extrovertidos e que têm mais facilidade de lidar com o público. Então, em caso de dúvidas, recorra a ele!

O passeio que fiz foi o chamado “Volta às Origens” –  o mais curto dentre as opções, com duração de 3 horas. Em fevereiro de 2020, o valor era de 85 reais por pessoa. Neste passeio tive a oportunidade de:

  • Receber uma pintura no rosto, que eles usam para identificar se um membro da tribo é casado ou não;
  • Participar de uma roda de conversa onde contam a história da tribo, seu desaparecimento devido à complicações durante a colonização, luta dos descendentes para retomar os costumes e reconstruir a reserva, principais costumes e dúvidas que vão surgindo dentre os visitantes;
  • Visitar o kijeme do Pajé (aquilo que costumamos de chamar de oca, na língua Tupi);
  • Conhecer a exposição aos artesanatos feitos pelas índias da reserva;
  • Fazer uma caminhada leve pela mata para conhecer diferentes armadilhas, atividades típicas e maior contexto sobre a história da tribo;
  • Degustação de peixe preparado de forma característica, na folha de patioba;
  • Participar do Awê, o ritual de confraternização e agradecimento com dança e cantos Pataxó.

Ao final de tantas atividades, tudo que eu queria era ter comprado um pacote maior para passar mais tempo ali, pois foi uma experiência absolutamente incrível.

Existem outras opções de atividades inclusas?

Existem outras opções de passeios que você pode fazer na reserva. São eles:

  • Dia de índio: com duração de 7h, no valor de R$160,00;
  • Dia de índio com pernoite: com duração de 24h, no valor de R$270,00;
  • Cerimônia de casamento (sim, você pode se casar na tribo!): duração de 1 a 7 dias, com valor a ser consultado;
  • Ritual da vitória: com duração de 6h, no valor de R$160,00.

Esses são os valores cobrados diretamente pela tribo. Caso você faça o passeio por meio de uma agência, os valores podem variar por conta dos serviços extras de intermediação.

O que eu achei da experiência?

A experiência como um todo

Sem dúvidas, esse foi o melhor passeio da viagem. É muito interessante ouvir a história do Brasil e das tribos indígenas pela versão daqueles que foram prejudicados em todo o processo. 

Uma coisa que me chamou muita atenção ao longo de toda a visitação é o fato de que a chegada dos portugueses não é retratada como “o descobrimento”, como aprendemos na escola e somos acostumados a falar quando contamos a história do Brasil. Esse fato é retratado como “a invasão”. Pode parecer algo simples, mas passei a ver a história do nosso país como algo completamente diferente. 

No dia a dia, não nos lembramos das nossas raízes e da verdadeira história do país. O que aconteceu aqui antes da “invasão” é simplesmente ignorado e não nos damos conta disso no dia a dia. Todo o sofrimento e luta dos indígenas para lidar com os portugueses é retratado na roda de conversa e foi incrível entender um pouco mais sobre todo esse universo que é tão distante de mim.

As atividades realizadas na reserva

Também foi uma experiência única fazer as atividades junto com os índios. Meu grupo foi guiado por um senhor chamado Murici, que fez toda diferença na experiência! Se você tiver a oportunidade de escolher quem vai guiá-lo na mata, escolha o seu Murici! ;)

Ele nos apresentou a reserva toda de uma forma muito divertida. No grupo havia eu, meu namorado, dois uruguaios e um americano. Por ter uma aparência mais europeia, ao longo do passeio, seu Murici chamava o americano de português e não faltaram brincadeiras que faziam todos rir, nos deixando super à vontade para fazer perguntas que talvez ficaríamos receosos de fazer por medo de ofender a cultura (algo normal quando estamos em um ambiente totalmente diferente do nosso).

Ele nos contou, inclusive, sobre o dia em que jornalistas de uma TV Suíça visitou a tribo durante a Copa do Mundo de 2014 para fazer uma reportagem sobre os índios acompanhando o evento sediado no Brasil, dando de presente uma TV para a reserva. Segundo ele, quando todo o ambiente estava pronto para gravação, nenhum índio conseguiu ligar a TV. Afinal, era a primeira televisão da reserva e ninguém se lembrou que a televisão não era suficiente, faltava a antena! Imagine só a situação? ;)

Em resumo, o dia foi divertido e ficamos super à vontade! Vale muito a pena!

Como fazer o passeio à reserva Pataxó em Porto Seguro?

Durante o passeio, descobri que uma moradora de Porto Seguro foi uma das pessoas que mais ajudou a tribo Pataxó a recuperar parte da terra perdida com a chegada dos portugueses, além de intermediar todo o processo para que a reserva fosse aberta a visitação, gerando renda para a população indígena.

Neste processo, dona Luiza abriu uma agência de turismo que oferece todos os passeios em parceria com a tribo e diversos outros serviços na cidade. Por sorte, havia contratado o passeio com essa mesma agência, mesmo sem saber a história.

Por isso, recomendo que todos os passeios (não só na tribo) sejam feitos por meio da Pataxó Turismo. Eles te buscam no seu hotel, levam até a reserva e retornam com você na sequência. O serviço é ótimo! Vale a pena conferir todas as opções do site!

Você tem alguma dúvida ou curiosidade sobre a Reserva Indígena Pataxó da Jaqueira? Deixa um comentário aqui embaixo! Te ajudamos a organizar essa viagem que vale cada centavo!

_____________________________________________________________________________________

Texto: Carolina Simões – 26 anos, jornalista por formação e atuante no mercado de marketing digital. Mãe de duas gatas (Safira e Jade) e moradora de Belo Horizonte. “Viajar é, sem dúvidas, minha maior paixão. Sempre sonhei em conhecer o mundo todo, e desde que comecei a ganhar meu próprio dinheiro, isso se tornou uma das minhas principais prioridades. Amo conhecer culturas novas, interagir com pessoas completamente diferentes e me sentir livre. Seja de carro, avião, trem… Topo e amo qualquer aventura!”

Comments

comments

Colaboradora Mi Alves

Recent Posts

3 coisas que você precisa saber sobre Higher Education!

Muitos de vocês me perguntam sobre Higher Education, então separei algumas dicas!Higher Education, ensino superior…

2 semanas ago

Entrevista para a Revista EI! como Embaixadora BELTA

Tive a oportunidade de falar um pouco sobre minhas experiências com intercâmbio e como criadora…

2 meses ago

Áustria: Sendo Au Pair no país de Mozart

Se você gosta de viajar e já fez, ou quer fazer um intercâmbio mais acessível,…

2 meses ago

Ano Voluntário Social na Alemanha FSJ

Nos últimos anos a Alemanha tem se tornado um destino muito buscado por intercambistas. Paisagens…

2 meses ago

Melhores e mais confiáveis Agências de Intercâmbio em 2021

Hoje eu vou te ajudar na hora de decidir  entre as melhores e confiáveis agências…

3 meses ago

Cruzeiro curto ou longo – qual escolher?

Tanto no Brasil, quanto em rotas internacionais, há cruzeiros mais curtos (3 ou 4 noites)…

3 meses ago